quarta-feira, 29 de abril de 2009

Iniciando




A CRIANÇA E O BRINQUEDO

Francisco B. Assumpção Jr.

O brincar é parte integrante do universo infantil sendo através dele que ela aprende, progressivamente, a se relacionar com o ambiente e consigo mesma.

Dessa maneira ele depende muito mais do desenvolvimento da criança do que de processos de mídia e de publicidade.

Logo nos primeiros meses, o seu brincar é puramente exploratório, com ênfase nos processos sensoriais e, os brinquedos utilizados, dependem assim muito mais de sua consistência, textura, cor e som que emitem, possibilitando à criança, possibilidades de estimulação a nível auditivo, visual, tátil e, esporadicamente, olfativo ou gustativo. Ao final desse período, já próximo dos dois anos, encontramos a criança com a capacidade de “imitar” padrões de comportamento, simplesmente com finalidade lúdica e exploratória. É freqüente assim, a encontrarmos “fingindo que está dormindo”, por exemplo.

Com o advento do pensamento Pré-Operatório, entre dois e seis anos de idade, aproximadamente, o padrão de brincadeiras transforma-se naquilo que é chamado de jogo simbólico, através do qual, a criança manipula o ambiente com sua fantasia, transformando-o para que se adapte.

Desse período são brinquedos pouco estruturados que permitem à ela a utilização da fantasia e a projeção de suas próprias experiências. Dessa maneira, uma menina que “briga” com sua boneca mas depois permite que ela faça aquilo que não podia, não somente repete o modelo familiar observado como o corrige, em sua fantasia, para poder melhor aceitar e compreender as limitações impostas pelo meio.

Após os 7 anos de idade, com o período de operações concretas, as brincadeiras tornam-se mais elaboradas, com os jogos se constituindo em jogos de regras, através dos quais a criança aprende a interagir com o outro de maneira regrada e, portanto, adaptada socialmente, e os jogos de construção, através dos quais ela elabora idéias e as passa do mundo mental para o mundo concreto, de maneira cada vez mais sofisticada e eficaz.

Dessa maneira, o brincar vai possibilitando à criança, durante seu desenvolvimento, a possibilidade cada vez maior, de poder se relacionar adequadamente com o mundo circunjacente, primeiramente de forma imitativa, depois de maneira cada vez mais própria e criativa, permitindo-lhe o caminhar em direção a sua autonomia.


Psiquiatria infantil

5 comentários:

  1. ju adorei suas postagens . beijus

    ResponderExcluir
  2. juliana o teu blog é um sucesso...parabéns

    ResponderExcluir
  3. Você tá arrasando! Sei que muitas coisas ainda mais belas estão por vir...

    O melhor de tudo é que isso tudo é muito "viciante".

    Compartilhar idéias, sugestões e outras coisinhas torna nosso trabalho melhor e mais criativo!

    Estou amando teu blog! Beijos

    ResponderExcluir
  4. Ju, ameiiiiiiiiii teu blog muito criativo, dinâmico...quero dicas!

    bjs Lu

    ResponderExcluir
  5. Oi amiga! Tem um selinho pra vc no meu blog.
    Beijos! Dani

    ResponderExcluir